Musica Italiana

'A cartulina 'e Napule

( Canta: Gilda Mignonette )
( Autores: De Luca - Buongiovanni - 1927 )

Dotada de uma voz e um temperamento que lhe permitiam de sobressair-se em musicas nostálgicas ou dramáticas, Gilda Mignonette foi entre as cantoras populares mais aclamadas no período entre as duas guerras mundiais, tanto em Nápoles como a New York onde tornou-se "rainha dos emigrados". Nascida em Nápoles em 1890, a Mignonette estreou com vinte anos como bailarina, sem obter grandes entusiasmos. Foi notada por Roberto Ciaramella, que intuiu seus dotes vocais e a convenceu a mudar de gênero. Assim a Mignonette construiu um repertorio de musicas melódicas napolitanas e italianas, afirmando-se gradativamente. No ano de 1924 estreou em New York onde ganhou grandes consensos e onde depois se transferiu para casar com o cantor Franco Acierno. Não esqueceu porem a sua cidade natal, onde voltava a cada ano para exibir-se e para adquirir novo repertorio. Morreu em 1953 a bordo de um navio que a levava para Nápoles deixando muitos discos que representaram o ponto de referencia para inúmeras cantoras e cantores sucessivos. Portentosa interprete, inigualável nos tons comovidos e pungentes evocados com um transporte que provinha de uma passionalidade sincera, a Mignonette foi verdadeiramente uma grandissima artista.

Original em dialeto napolitano Tradução

Mm' è arrivata, stammatina,
na cartulina.
E' na veduta 'e Napule
che mm'ha mannato mámmema.

Se vede tutt' 'o Vommero,
se vede Margellina,
nu poco 'e cielo 'e Napule,
'ncopp'a 'sta cartulina!

Napule,
aggio scritto pe' te chesta canzone
e, p' 'o ricordo 'e mámmema,
aggio chiagnuto lacreme 'e passione!

E se vede pure 'o mare
cu Marechiaro.
Mme parla cchiù 'e na lettera
'sta cartulina 'e Napule!

Che gioja, stu Pusilleco,
'sta villa quant' è fina.
Comm' è bello 'o Vesuvio.
Che bella cartulina!

Napule,
aggio scritto pe' te chesta canzone
e, p' 'o ricordo 'e mámmema,
aggio chiagnuto lacreme 'e passione!

Comme tu puó' stá felice
- mamma mme dice -
luntano tanto 'a Napule,
luntano tanto 'a mámmeta?

E soffro mille spáseme,
'ncore tengo na spina
quanno cunfronto 'America
cu chesta cartulina!

Napule,
aggio scritto pe' te chesta canzone
e, p' 'o ricordo 'e mámmema,
aggio chiagnuto lacreme 'e passione!

Aggio scritto pe' te chesta canzone!


Me chegou, esta manha,
um cartão postal.
É uma vista de Nápoles
que me enviou minha mãe.

Se vê todo o Vomero,
se vê Margellina,
um pouco do céu de Nápoles,
neste cartão postal!

Nápoles,
escrevi para ti esta canção
e, por recordar da minha mãe,
chorei lagrimas de paixão!

E se vê também o mar
com Marechiaro.
Me fala mais que uma carta
este cartão postal de Nápoles!

Que jóia, este Posillipo,
esta vila, quanto è elegante.
Como é belo o Vesúvio.
Que belo cartão postal!

Nápoles,
escrevi para ti esta canção
e, por recordar da minha mãe,
chorei lagrimas de paixão!

Como podes estar feliz
- mamãe me escreve -
tão longe de Nápoles,
tão longe de tua mãe?

E sofro mil tormentos,
no coração tenho um espinha
quando comparo a América
com este cartão postal!

Nápoles,
escrevi para ti esta canção
e, por recordar da minha mãe,
chorei lagrimas de paixão!

Escrevi para ti esta canção!